O que é a hiperplasia prostática benigna?

Urologia
A HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA (HPB) é caracterizada pelo crescimento nodular da próstata pela ação do hormônio testosterona. Trata-se de um aumento benigno deste órgão, portanto, diferencia-se do câncer. A HPB acomete 50% dos homens com mais de 50 anos e 90% dos homens com mais de 90 anos, sendo uma enfermidade de comum ocorrência e diretamente proporcional à idade do paciente. No homem normal, a próstata pesa cerca de 20g, chegando a crescer aproximadamente 4g por década em indivíduos com HPB. Por se localizar logo abaixo da bexiga e envolver a uretra, a próstata aumentada pode comprimir a uretra, diminuindo o seu calibre e dificultando a passagem da urina. A urina estagnada favorece o aparecimento de infecções e cálculos renais.

Aumento nodular da glândula prostática, com redução do calibre da uretra e consequente obstrução do fluxo urinário.

O tratamento pode ser medicamentoso, para retardar os efeitos da ação do hormônio ou cirúrgico e a opção entre os dois dependerá do paciente, tamanho da próstata e da presença de sintomas associados. 

CAUSAS DA HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENÍGNA

As causas da HPB ainda são desconhecidas. Entretanto, acredita-se que vários fatores contribuam para o seu aparecimento, tais como idade, histórico familiar, presença de níveis elevados de hormônios masculinos (testosterona) e alterações genéticas.

COMO PREVENIR A HPB

A HPB está intimamente relacionada à idade do homem, porém, estudos determinaram a correlação entre o desenvolvimento da doença com fatores nutricionais. Sabe-se, por exemplo, que com o consumo de gorduras saturadas e zinco aumentam as chances de um paciente possuir uma HPB sintomática. O consumo de frutas tem efeito contrário. Outros fatores também são citados, como por exemplo, valores altos de PSA, doença cardiovascular prévia, obesidade e diabetes.

SINTOMAS DA HPB

  • Nem todos os pacientes que possuem HPB apresentarão sintomas. No entanto, os pacientes devem estar atentos e procurar um urologista quando notarem os sinais a seguir:
  • Jato urinário fraco e intermitente (com interrupções)
  • Esforço para urinar
  • Dificuldade ou demora em iniciar a micção
  • Sensação de esvaziamento incompleto da bexiga
  • Aumento da frequência urinária
  • Necessidade de acordar várias vezes à noite para urinar
  • Presença de sangue na urina
  • Dor e sensação de queimação no ato de urinar
  • Necessidade urgente de urinar
 

A HPB sintomática apresenta um curso cíclico com períodos de melhora e piora espontâneo, também variando conforme a idade do paciente. É importante ressaltar que os sintomas da HPB são semelhantes aos de outras doenças do sistema urinário, sendo fundamental que o paciente procure um urologista para o correto diagnóstico.

DIAGNÓSTICO DA HPB Para os indivíduos com sintomas miccionais, há vários tipos de avaliação: 

  • Avaliação médica detalhada, com exame físico geral e urológico (incluindo toque retal, caso o profissional julgue necessário)
  • Exames de sangue - uréia e creatinina que permitem avaliar a função renal; PSA (antígeno prostático específico) para facilitar a avaliação de possíveis tumores de próstata; urina tipo I para avaliar a presença de sangue ou infecção urinária.
  • Exames de imagem como a ultra-sonografia, que permite avaliar a forma e a densidade da próstata, bem como a presença de resíduo elevado de urina na bexiga, após a micção.
  COMPLICAÇÕES DA DOENÇA A HPB apresenta baixo índice de mortalidade e complicações mais sérias ocorrem em percentual pequeno de pacientes. No entanto, se não for corretamente manejada, a próstata pode crescer a ponto de obstruir completamente o canal da urina, causando retenção urinária. O paciente com retenção urinária não consegue esvaziar a bexiga, sofrendo grande incômodo e resultando em infecções urinárias que podem se tornar sérias, levando o paciente à insuficiência renal e até mesmo óbito por infecção generalizada.  TRATAMENTO O tratamento da HPB tem dois objetivos principais: o alívio das manifestações clínicas do paciente e a correção das complicações relacionadas ao crescimento prostático. O tratamento pode ser clínico ou cirúrgico e a opção por um destes levará em consideração as condições clínicas do paciente, tamanho da próstata, danos causados ao aparelho urinário, gravidade dos sintomas, presença de complicações relacionadas à HPB e a preferência do indivíduo. Indivíduos com sintomas leves, sem alterações significativas de qualidade de vida e sem complicações podem ser observados, com acompanhamento regular. Já para aqueles com sintomas moderados ou severos está indicado o tratamento medicamentoso. Alguns indivíduos com sintomas graves e/ou complicações da HPB (retenção urinária persistente e refratária ao tratamento clínico, infecções urinárias freqüentes, dilatação do sistema urinário, sangramento urinário persistente e associação de cálculos ou divertículos na bexiga) são candidatos ao tratamento cirúrgico. Atualmente, existem algumas opções cirúrgicas para HPB, sendo que a Ressecção Transuretral da Próstata (RTUP) é considerada o padrão-ouro no tratamento desta afecção. O procedimento consiste na retirada de fragmentos do tecido prostático e consequente desobstrução do fluxo urinário para alívio dos sintomas. A cirurgia é feita por via uretral, com a passagem de endoscópio pelo interior do pênis, sem necessidade de incisões, configurando-se como cirurgia endoscópica de mínima invasão. Por se tratar de um procedimento minimamente invasivo e menos traumático que a cirurgia aberta, a RTUP propicia menor tempo de hospitalização e recuperação do paciente com maior brevidade.

Esquema demonstrando o procedimento de RTUP, com a entrada do endoscópio pelo canal uretral e retirada do tecido prostático com uso de alça de ressecção.

Conheça nosso portfolio de equipamentos em UROLOGIA para o tratamento da HPB, com linha completa para ressecção transuretral. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS UROLOGIA FUNDAMENTAL. Miguel Zerati Filho, Archimedes Nardozza Júnior, Rodolfo Borges dos Reis. São Paulo: Planmark, 2010. Vários colaboradores. UROLOGIA MODERNA. Rodolfo Borges dos Reis, Stênio de Cássio Zequi, Miguel Zeratti Filho. São Paulo: Lemar, 2013. PROTEUS: PALESTRAS E REUNIÕES ORGANIZADAS PARA A PREPARAÇÃO AO TÍTULO DE ESPECIALISTA EM UROLOGIA, SBU. 2ª ed. São Paulo: Planmark; 2017. Vários colaboradores.
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts
relacionados

Conheça os principais sintomas, diagnóstico e as principais indicações de tratamento para o cálculo renal infantil.

Urologia

17/07/2018

O cálculo renal infantil - Sintomas, diagnóstico e tratamento

Conheça os principais sintomas, diagnóstico e as principais indicações de tratamento para o cálculo renal infantil.

Leia mais
Nesse texto científico adaptado, conheça as principais causas, sintomas e tratamento do cálculo urinário durante em gestantes.

Urologia

01/03/2018

Cálculo urinário na gestação

Nesse texto científico adaptado, conheça as principais causas, sintomas e tratamento do cálculo urinário durante em gestantes.

Leia mais
Veja nessa matéria as quais são as opções da prostatectomia para o tratamento do câncer de próstata.

Câncer de próstata

15/12/2017

Câncer de próstata - Como funciona a postatectomia

Veja nessa matéria as quais são as opções da prostatectomia para o tratamento do câncer de próstata.

Leia mais
O Câncer de Próstata é o tumor responsável pela 2ª causa de óbitos por câncer nos países ocidentais. Saiba mais sobre a doença.

Câncer de próstata

20/11/2017

Câncer de próstata - Sintomas, diagnóstico e tratamento

O Câncer de Próstata é o tumor responsável pela 2ª causa de óbitos por câncer nos países ocidentais. Saiba mais sobre a doença.

Leia mais
O câncer de bexiga acomete 3 vezes mais homens que mulheres e apresenta maior incidência em indivíduos acima dos 65 anos.

Câncer de Bexiga

30/10/2017

Câncer de Bexiga - Estadiamento, diagnóstico e tratamento

O câncer de bexiga acomete 3 vezes mais homens que mulheres e apresenta maior incidência em indivíduos acima dos 65 anos.

Leia mais
×