Câncer de próstata - Sintomas, diagnóstico e tratamento

Câncer de próstata, Urologia

O Câncer de Próstata é o tumor sólido não cutâneo responsável pela 2ª causa de óbitos por câncer nos países ocidentais. No Brasil cerca de 61.000 novos casos foram diagnosticados no ano de 2016. 

Segundo levantamento realizado pela Sociedade Brasileira de Urologia, 51% dos homens com mais de 45 anos não realizaram visitas ao médico recentemente, justamente na idade em que as doenças começam a aparecer. Dentre as razões justificadas para a não realização de exames periódicos estão a falta de tempo, o fato de se considerarem saudáveis e o medo de descobrirem doenças.

Com o preconceito que cerca o tema e a ainda escassa aderência às campanhas de conscientização, a prevenção não é feita e, com a negligência masculina com a própria saúde, a doença é diagnosticada tardiamente.

Os fatores genéticos têm grande papel na ocorrência desta doença e outros fatores como obesidade, sedentarismo e tabagismo também podem influenciar para o surgimento do câncer de próstata. 

SINAIS E SINTOMAS
Os sintomas do câncer de próstata são pouco específicos e podem ser confundidos com os sintomas presentes em outros processos que acometem a próstata, como por exemplo nos processos benignos de aumento desta glândula (hiperplasia prostática benigna) e nas inflamações (prostatites). 

Os principais sintomas para estas doenças são a dificuldade para urinar, redução da quantidade de urina, acordar várias vezes durante a noite para ir ao banheiro, sensação de bexiga cheia mesmo após a micção, dor e ardência ao urinar, impotência ou dificuldade para manter a ereção e presença de sangue no sêmen.

DIAGNÓSTICO
A suspeita do Câncer de Próstata se dá através da sintomatologia clínica e pode ser confirmada através do exame de toque retal e níveis sanguíneos de PSA (antígeno prostático específico).

Toque retal: aproximadamente 80% dos tumores encontram-se na zona periférica da glândula prostática. Quando o volume dos nódulos é maior que 0,2ml, existe a possibilidade de realização de diagnóstico pelo exame digital do reto. Este exame fornece informações importantes acerca da textura e consistência do tecido prostático. Em 18% dos pacientes, o câncer de próstata é detectado pelo toque retal, independente da concentração sérica de PSA.



PSA: o antígeno prostático específico é um hormônio e pode estar aumentado em diferentes processos que acarretem em alterações na próstata. No entanto, níveis elevados deste hormônio estão associados a uma maior probabilidade de câncer de próstata e o diagnóstico preciso será obtido com a correlação entre o exame retal e os níveis de PSA. 

Biópsia de Próstata: consiste na retirada de pequenos fragmentos de toda a glândula prostática para avaliação tecidual. Indicada em casos em que o exame de toque retal e os níveis de PSA estejam fora da normalidade. O procedimento é realizado por via transretal ou perineal, com o auxílio do ultrassom, e é o único exame capaz de fornecer informações precisas com relação ao grau de agressividade do câncer de próstata.


TRATAMENTO
Uma vez instalado, o tumor pode permanecer localização, quando não há extensão para estruturas adjacentes, ou localmente avançado, quando há invasão da cápsula, vesículas seminais e linfonodos regionais. Em casos mais graves ocorre o tumor metastático, com o acometimento de ossos, órgãos e linfonodos afastados da próstata.<br>
O tratamento do câncer de próstata varia de acordo com a localizado, grau de infiltração e expectativa de vida do paciente. As opções de tratamento incluem a vigilância ativa (não tratamento e monitoramento de pacientes sem risco de morte), braquiterapia (implantes prostáticos radioativos), radioterapia (aplicação de radiação ionizante), terapia focal (ultrassom focado de alta intensidade - HIFU) e cirurgia (prostatectomia radical aberta, videolaparoscópica e robótica).

RASTREAMENTO
A Sociedade Brasileira de Urologia preconiza que todos os homens com idade acima de 50 anos devam realizar o exame de PSA e toque retal. A recomendação é diferente para homens da raça negra ou com antecedente familiar da doença. No caso de algum parente de primeiro grau ter tido câncer de próstata, a consulta de 6 em 6 meses deve acontecer a partir dos 45 anos, visto que a chance de ter a doença é maior neste grupo. O limite para rastreamento é de 75 anos ou em homens com expectativa de vida menor que 10 anos.

A  Strattner possui portfólio completo para o diagnóstico e tratamento dos tumores de próstata, com a linha de equipamentos para realização do ultrassom focado de alta intensidade, cirurgia laparoscópica e cirurgia robótica.

Referência Bibliográficas:
UROLOGIA FUNDAMENTAL. Miguel Zerati Filho, Archimedes Nardozza Júnior, Rodolfo Borges dos Reis. São Paulo: Planmark, 2010. Vários colaboradores.
UROLOGIA MODERNA. Rodolfo Borges dos Reis, Stênio de Cássio Zequi, Miguel Zeratti Filho. São Paulo: Lemar, 2013.
PROTEUS: PALESTRAS E REUNIÕES ORGANIZADAS PARA A PREPARAÇÃO AO TÍTULO DE ESPECIALISTA EM UROLOGIA, SBU. 2ª ed. São Paulo: Planmark; 2017. Vários colaboradores.

Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts
relacionados

×