Como transformar processos hospitalares em digitais

Gestão Hospitalar

Certificação HIMSS

Com o uso cada vez maior de tecnologias digitais dentro dos hospitais somado à grande quantidade de dados gerados dentro da instituição (assim como já citado em posts anteriores) é natural pensar em interligar essas informações de todos os ambientes hospitalares. O desafio, então, está em integrar e otimizar processos antes feitos apenas em papel, como é o caso do prontuário do paciente, controle de farmácia e imagens do centro de diagnóstico.

Nesse contexto de transformar o Hospital em Digital e torná-lo paperless, conceito que indica que não há mais processos sendo realizados em papel, a HIMSS (Healthcare Information and Management Systems Society) criou em 2005 a metodologia de adoção progressiva de algumas tecnologias que apoiam o processo de digitalização [1].

A HIMSS é uma associação internacional, fundada em Chicago no ano de 1960 e incentiva o uso da Tecnologia da Informação (TI) na área da saúde [1]. A metodologia desenvolvida baseia-se na adoção do prontuário eletrônico do paciente (PEP ou Electronic Medical Record, EMR) e é dividida em 8 estágios, indo do 0 até o 7, onde cada um possui requisitos específicos que os hospitais devem atender para conquistar a classificação de cada estágio. É com base nessa classificação que o hospital é certificado.

Basicamente, um hospital estágio 0 não possui nenhum tipo de sistema ou tecnologia que dê apoio à assistência ao paciente, enquanto uma instituição estágio 7 é um hospital digital, com intenso e amplo uso de tecnologias que dão suporte à assistência clínica e ao cuidado do paciente [2]. Abaixo seguem as principais especificações e passos no Nível 0 ao Nível 7 da HIMSS.

 


Fonte: Pixeon Folks Tic HIMSS Analytics

 

A HIMSS certifica e divulga apenas os hospitais com nível 6 e 7 de digitalização. Nos Estados Unidos, apenas 6% de todos os hospitais possuem a certificação Nível 7, porém esse número vem crescendo desde 2015 e a tendência é de aumentar cada vez mais. No Brasil apenas 2 hospitais possuem esse nível, o UNIMED Recife (PE) e o Hospital Marcio Cunha (MG).

Pensando em atribuir a digitalização e o gerenciamento de informações também no centro cirúrgico, a KARL STORZ possui soluções unindo tecnologias e software, como é o caso da AIDA e do SCENARA.

Referências:
[1] Disponível em: HIMSS Analytics. Acessado em: 19/12/2017.
[2] Disponível em:Saude Business. Acessado em: 19/12/2017.

Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts
relacionados

Você sabe como o cloud computing pode contribuir para uma gestão hospitalar mais funcional e eficiente? Leia a matéria completa.

Gestão Hospitalar

01/10/2020

Benefícios do cloud computing na área da saúde

Você sabe como o cloud computing pode contribuir para uma gestão hospitalar mais funcional e eficiente? Leia a matéria completa.

Leia mais
Conheça a história da evolução da indústria da saúde, principais tendências e os impactos na área da saúde.

Cirurgia Geral

10/08/2018

A evolução da indústria da saúde - Hospitais 4.0

Conheça a história da evolução da indústria da saúde, principais tendências e os impactos na área da saúde.

Leia mais
As imagens e vídeos de um procedimento cirúrgico são documentos importantes que precisam de cuidado no seu armazenamento.

Cirurgia Geral

05/10/2017

Quais são vantagens da documentação na videocirurgia?

As imagens e vídeos de um procedimento cirúrgico são documentos importantes que precisam de cuidado no seu armazenamento.

Leia mais
×