Utilizando o videolaringoscópio na Cirurgia Bariátrica

Anestesia

O Brasil é o segundo maior país em número de cirurgias bariátricas por ano, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, e hoje estima-se que 7 milhões de brasileiros possuem indicação para esse tipo de abordagem cirúrgica. Apenas esse ano, já foram realizadas em torno de 95 mil cirurgias bariátricas e necessariamente é realizada a anestesia geral para estes procedimentos.

A obesidade é considerada um indicador de via aérea difícil, uma vez que, devido às próprias particularidades anatômicas desses pacientes, muitas vezes se faz necessário um posicionamento especial (por exemplo em decúbito lateral) o qual dificulta o gerenciamento das vias aéreas. Devido à dificuldade de intubação desses pacientes, o cancelamento das cirurgias bariátricas é relativamente alto, o que gera um custo ao hospital, assim como um desconforto ao paciente e equipe médica. Daí a importância dos hospitais possuírem dispositivos adequados e que promovam segurança para a anestesia geral.

Apesar do padrão ouro para via aérea difícil ser a intubação por flexível e com o paciente acordado, com o desenvolvimento do videolaringoscópio C-MAC® é possível diminuir de forma significativa o uso dessa técnica e aumentar a segurança do paciente.

O chip C-MOS localizado na ponta das lâminas do sistema C-MAC® é responsável pela captação da imagem, em alta qualidade, e possibilita a visualização da entrada da via aérea, mesmo quando não é possível visualizar a glote por laringoscopia convencional. Além disso, através do sistema é possível documentar com fotos e vídeos todo o procedimento, importante para a segurança do médico e paciente.

A KARL STORZ desenvolveu uma lâmina de via área difícil que possui uma curvatura ideal para a anteriorização da anatomia do paciente e consequente visualização melhorada do “alvo” para a passagem do tubo traqueal. Denominada D-BLADE (em inglês difficult blade), a lâmina possui além da diferenciada curvatura, altura reduzida, forma elíptica e cônica que permite ser usada em pacientes com pequena abertura bucal.

Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts
relacionados

Com o sistema C-MAC®, é possível oferecer várias alternativas, para que se garanta o mais alto padrão de segurança do paciente. Conheça!

Anestesia

23/10/2018

Segurança na intubação traqueal com a linha C-MAC®

Com o sistema C-MAC®, é possível oferecer várias alternativas, para que se garanta o mais alto padrão de segurança do paciente. Conheça!

Leia mais
Nessa matéria a dra. Cláudia Lütke, coordenadora do VAS - Via Aérea Segura, aborda o uso do fibroscópio aplicado na anestesia.

Anestesia

25/11/2017

Fibroscopia Aplicada à Anestesia - por Dra. Claudia Lutke

Nessa matéria a dra. Cláudia Lütke, coordenadora do VAS - Via Aérea Segura, aborda o uso do fibroscópio aplicado na anestesia.

Leia mais
×